• facebook
  • twitter
  • youtube
  • blog
  • g+
  • email
  • abrigo de animais
  • quero adotar cão ou gato
  • adoção com responsabilidade

Dicas...

 

"Cães de SP vivem em média apenas 3 anos, diz pesquisa". A castração é um ato de amor e que aumenta o tempo de vida de seu amigo.

Quanto tempo vive o melhor amigo do homem? Pelo senso comum, cachorro idoso é o que conseguiu chegar perto dos 12 anos. No meio veterinário, há relatos sobre animais que ultrapassaram a barreira dos 20. Em São Paulo, porém, a média de vida dos cães é de três anos.

A idade foi apontada por um levantamento feito na região metropolitana de São Paulo por pesquisadores de quatro universidades (USP, Unip, Unicsul e Metodista) e publicado na revista científica "Ciência Rural".

Eles não esperavam esse resultado. "Ficamos chocados. Quase não acreditamos. Três anos... A idade é baixa demais", diz o veterinário Henri Bentubo, um dos autores do estudo.

Cães de Primeiro Mundo são bem mais longevos. Pesquisas mostram que a sobrevivência média é de 9,9 anos nos EUA e de 11 na Inglaterra.

Para o estudo brasileiro, os pesquisadores se debruçaram sobre prontuários de clínicas veterinárias, canis particulares e um hospital universitário. Também ouviram pessoas que já tiveram cachorros. Coletaram informações sobre 2.011 cães que perderam a vida entre 1995 e 2005. Animais de rua não entraram nas contas.

Causa mortis

Houve, obviamente, animais que morreram com muito mais de três anos e outros que morreram com menos. A média foi puxada para baixo porque a principal causa de morte (35,11% dos casos) foram as doenças infecciosas, que afetam filhotes não-vacinados. As vítimas de infecção morreram, em média, com um ano de vida.

"As pessoas, na maioria, não sabem da importância das vacinas. Assim que adquirem o cachorro, querem sair para mostrá-lo. As chances de pegar uma doença são muito grandes. É preciso cuidar do filhotinho como se cuida do bebê", diz a veterinária Maria Anete Lallo, que participou do estudo.

Após as doenças infecciosas, apareceram os tumores (13,28%) e os acidentes com traumatismo (13,08%). Morreram de velhice só 5,57%. Mas houve diferença entre os sexos. Os machos (com 2,4 anos em média) morreram antes das fêmeas (4 anos). Eles "abandonam suas residências em busca de acasalamentos", afirma a pesquisa. Os castrados (9 anos) viveram mais que os não-castrados (3 anos).

RICARDO WESTIN - da Folha de S.Paulo

 

Outra recomendação muito importante

É a castração, os gatos tem um olfato muito apurado e sentem cheiro de fêmea no cio a distância, isto tira seu sossego, seu apetite e sua saúde infelizmente, além de muitas vezes, promover a fuga indesejada do nosso companheiro.

O animal sai atrás da fêmea no cio e é comum que jamais voltem. Eles acabam se perdendo, sendo atropelados, se ferem muito em brigas e não conseguem voltar, além da possibildade de contraírem o câncer venério (mais encontrado em cães, mas já houve relato da doença em gatos).

Portanto, se você ama seu gato e quer que ele seja seu companheiro, ao invés de procriador, castre seu amigo! Castrar é um ato de amor e dará mais e melhores anos de vida a ele! Um beijo a todos e boa sorte. Marta Naufal Arruda - petfeliz